Header Ads

Governo realizou força-tarefa, contratou leitos de retaguarda e humanizou atendimento ao retirar pacientes do chão no JP II

 



Hospital e Pronto-Socorro João Paulo II recebe pacientes de várias cidades do Estado

A transferência de pacientes do Hospital e Pronto-Socorro João Paulo II para outras unidades hospitalares foi uma das medidas adotadas pela força-tarefa criada pelo Governo de Rondônia para vencer a superlotação da antiga unidade de urgência e emergência de Porto Velho. Esta segunda reportagem da série sobre o mais antigo pronto-socorro do Estado aborda uma das primeiras medidas do governador Marcos Rocha para garantir atendimento digno e humanizar o local.

Inaugurado em 1984, para atender inicialmente funcionários da Eletronorte no início da construção da Usina Hidrelétrica de Samuel, o JP II passou por várias reformas e recebeu equipamentos para continuar atendendo pacientes graves e com traumas encaminhados pela maioria dos municípios do Estado, e também de outros de cidades do Sul do Amazonas, como Humaitá e Lábrea.

Com antigos 140 leitos de enfermaria, 10 UTIs e quatro salas de cirurgia, o governo estadual teve que investir na contratação de leitos de retaguarda para desafogar o atendimento na unidade, que já contava com pacientes acomodados de forma improvisada no chão. Atualmente, são 40 leitos clínicos de retaguarda e outros 90 de retaguarda geral (cirúrgico/ortopédico), no total de 130.

CONSULTORIA

A força-tarefa incluía ainda mudanças de protocolos de gestão. O objetivo era humanizar os atendimentos e melhorar as condições de funcionamento da unidade de saúde. Esforços pessoais do governador Marcos Rocha e do secretário Estadual de Saúde, Fernando Máximo, junto ao Ministro da Saúde, resultaram em um convênio para trazer uma equipe de consultores do Hospital Sírio-Libanês a Porto Velho.

Em 90 dias, os consultores elaboraram um diagnóstico com propostas para melhoria das condições de funcionamento da unidade. “Essa parceria com o Hospital Sírio Libanês, referência internacional em saúde, nos ajudará a mudar a qualidade da saúde do nosso Estado e fortalecerá as ações que nós já tomamos e que vêm dando bons resultados”, disse Fernando Máximo.

PLANEJAMENTO

O empenho do Grupo S.O.S João Paulo II – formado por técnicos, médicos, enfermeiros e pessoal de apoio – vem traçando estratégias para melhorar o atendimento no Hospital e Pronto-Socorro João Paulo II, unidade referência no atendimento de emergência e urgência em Rondônia. São ações para serem incrementadas até que sejam concluídas as obras do novo Hospital de Urgência e Emergência.

O grupo, formado por uma equipe multidisciplinar, foi responsável pela elaboração de um novo modelo de atendimento com protocolos médicos modernos e o objetivo de humanizar e melhorar a qualidade dos serviços prestados aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) no João Paulo II.

O secretário Fernando Máximo explicou que a contratação de leitos não foi a solução definitiva para a situação e não resolveu o problema que assola a população e sobrecarrega o João Paulo II há mais de duas décadas.

“Mas, são 60 pacientes que saíram do chão, das internações em cadeiras, do sol e da chuva para um lugar mais confortável”, disse Máximo.

Com as novas acomodações, famílias e pacientes ficaram aliviados por ter um local apropriado para internação. Foi o caso de Eraldo dos Santos, morador de Guajará-Mirim, e acompanhava o pai, vítima de um acidente vascular cerebral (AVC), internado no João Paulo II há mais 20 dias, em leito improvisado no corredor.

Segundo Eraldo Santos, quando seu pai recebeu a notícia de que iria ser transferido para um leito de retaguarda em outro hospital, nem acreditou. “Eu estava tentando arrumar um local para me deitar, quando uma moça chegou dizendo que meu pai iria ser transferido, foi uma benção, quando eu vi a outra enfermaria, e fiquei aliviado”.


“Mas não posso reclamar do atendimento no João Paulo II. Meu pai foi muito bem atendido. Os funcionários sempre atenciosos, medicação, alimentação, tudo muito bom”, ressaltou Eraldo, reconhecendo a dedicação dos médicos, enfermeiros e funcionários do pronto socorro.

EMENDA

Uma das emendas parlamentares que garantiu os reparos emergências no Hospital e Pronto-Socorro João Paulo II teve autoria da deputada federal Mariana Carvalho, no valor de R$ 11 milhões.

Ao reconhecer a ajuda da bancada federal de Rondônia, o governador Marcos Rocha disse, em reunião com a parlamentar, com o vice-governador José Jordan e o secretário de Saúde, Fernando Máximo, que o setor de saúde é um dos mais complexos, principalmente quando o assunto é o Hospital João Paulo II. “A principal meta é construir um novo hospital de urgência e emergência na Capital que irá substituir o João Paulo II e, consequentemente, melhorar o atendimento para todos”.



Fonte
Texto: Abdoral Cardoso, com informações do Portal
Fotos: Frank Néry
Secom - Governo de Rondônia

 

Nenhum comentário